Terça, 23 de Julho de 2024 18:05
(16) 9999999
Geral Pesquisa

Pesquisador da USP mostra os efeitos da realidade virtual sobre a sociedade

Especialistas apontam prós e contras de aproximar mundo real do virtual a ponto de apagar fronteiras entre realidade e dimensão digital

23/03/2024 19h57
Por: Redação Fonte: Gov SP
Pesquisador da USP mostra os efeitos da realidade virtual sobre a sociedade

Em 2024, a Apple lançou um óculos de realidade aumentada, o Vision Pro, que, segundo palavras da própria empresa, é um “computador espacial revolucionário que combina perfeitamente o mundo real e virtual”. O equipamento é controlado por meio da combinação de mãos, olhos e voz e possibilita que os usuários acessem aplicativos, assistam a filmes ou, até mesmo, tenham seu local de trabalho cibernético.

Nesse sentido, a realidade aumentada, ou mista, transforma o mundo real em um espaço modificado, sobrepondo objetos reais por virtuais — assim como na tecnologia da empresa norte-americana. De maneira diferente, a realidade virtual consiste basicamente em um universo construído totalmente de maneira computacional e imersivo, responsável por criar imagens semelhantes à realidade.

O professor Marcio Lobo Netto, do Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos da Escola Politécnica (Poli) da Universidade de São Paulo, desenvolve sobre essa união entre tecnologia e a visão: “O sentido da visão é o sentido mais rico, ou seja, aquele que nos dá um acesso mais completo para entender e vivenciar o mundo ao nosso redor. Esses novos dispositivos têm uma qualidade visual muito importante e isso faz toda a diferença, porque você se envolve como se fosse de fato real”. Ele ainda completa que a relação entre visão e o modo de uso, por meio de gestos com as mãos, aproxima ainda mais os usuários do mundo real.

Sociedade cibernética

A evolução dessa tecnologia pode proporcionar avanços muito importantes para a área de educação, saúde, militar, entre outras; por exemplo, a realidade aumentada pode auxiliar em procedimentos cirúrgicos que são mais complicados, no tratamento de doenças psiquiátricas ou em exames. “Em uma análise clínica, há a ideia do raio X, do médico poder chegar a um paciente usando um óculos desse e obtendo imagens. Essas imagens são superpostas àquilo que está sendo observado na realidade, dando a impressão de que você está enxergando realmente através do corpo”, analisa o docente.

O doutorando da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, Marcus Repa, discorre: “É algo bem interessante do ponto de vista de imersão, por exemplo, se aproximar e entrar no filme ou em uma peça de teatro. Ter informações em tempo real caminhando pela cidade, olhar para um prédio e saber quando ele foi construído, ter toda uma cadeia bibliográfica e fontes”. Ele também ressalta a importância que pode ter no compartilhamento de informações em escolas.

Contudo, ele aponta para o fato de que os dispositivos atuais são caros e, dessa maneira, se tornam uma tecnologia concentrada na mão de poucas pessoas, o que dificulta seu acesso para populações mais vulneráveis. Assim, esse pequeno grupo privilegiado tem capacidade de controlar narrativas e discursos sociais, uma vez que terá o conhecimento da linguagem que está sendo construída e pode usar isso para benefício próprio.

Homem x máquina

Segundo Netto, esses dispositivos podem deixar os indivíduos dependentes, de forma que eles se tornem escravos da tecnologia, querendo usá-las a todo momento — assim como já acontece com os celulares ou videogames. Ele afirma que, na medida em que os equipamentos são atraentes ao público, eles criam um afastamento do convívio social, inclusive do ambiente doméstico: “Há uma dependência muito grande, na qual a pessoa fica presa ao dispositivo para fazer qualquer coisa. Todo mundo fica ‘plugado’ nos dispositivos”.

No entanto, o professor ainda apresenta: “Por outro lado, ele aproxima as pessoas, porque permite, talvez de uma forma mais agradável, um convívio naquelas relações que são realmente distantes. Você pode estar conversando com uma pessoa longe e ter a sensação, pelo menos visual, de que ela está próxima de você”. Assim, ele disserta que isso pode ser convidativo para que os indivíduos se interessem por essa tecnologia, a fim de possuir relacionamentos distantes com maior facilidade e frequência.

Para o docente, a realidade virtual apresenta duas linhas: uma individual e outra coletiva — em que várias pessoas presenciam a mesma experiência e se encontram no mesmo ambiente cibernético, mas cada uma usando seus próprios óculos de realidade virtual.

Sob outro ponto de vista, Leonardo Goldberg, pesquisador do Instituto de Psicologia (IP) da USP, aborda uma visão ambivalente da realidade virtual, visto que, quando o indivíduo está imerso na tecnologia, especialmente nas redes sociais, ele está se relacionando com diferentes pessoas de diferentes lugares baseado em seu algoritmo pessoal, ou seja, seus gostos e afinidades individuais.

Diante desse cenário, bolhas sociais extremamente imóveis são construídas, o que pode contribuir para o surgimento de problemas, desde familiares até político-sociais, com pessoas de grupos diferentes. Ademais, esses dispositivos interferem diretamente no encontro casual entre os indivíduos: “Eu marco com alguns colegas para sair e isso inclui uma dimensão da casa. Mas, se eu marco para jogar um certo jogo com eles, ou alguma dimensão bastante protegida pelas telas, isso praticamente exclui a dimensão do indeterminado”. O especialista afirma que isso empobrece a qualidade das relações, transformando-as em um ritual repetitivo e monótono.

Potencial tecnológico

“A realidade virtual tem alguns tripés: a ideia de imersão, você não apenas ver a imagem, mas ter a sensação de que aquilo que está sendo apresentado é muito próximo do real; a questão da interação, de você poder se relacionar com aquilo que está sendo visto e manipular os objetos; e a própria simulação que está por trás e que permite a realização dessas coisas”, explica Netto. Ele ainda complementa que as tecnologias estão proporcionando situações cada vez melhores, a partir de seu desenvolvimento.

Goldberg aponta que existe uma descontinuidade na história, desde a invenção do computador portátil e da proliferação do mundo digital, e que o estágio avançado da realidade virtual pode não ser perceptível. Isto é, não seria possível distinguir o que é a dimensão digital e o que é a realidade e, nesse sentido, em meados dos anos 1990, foi inventado o termo “computação umbíqua”.

“É aquela noção da teologia que vai dizer que Deus está em todos os lugares e ao mesmo tempo. Eu acho que a gente vive essa dimensão na atualidade, com os dispositivos tecnológicos, como os relógios, óculos e fones de ouvido, ou seja, tudo aquilo que é incluído enquanto vestimenta na nossa rotina”, comenta.

Dessa forma, o psicólogo afirma que não consegue imaginar um limite para a realidade virtual, caso ela seja considerada uma espécie de prótese das incapacidades e limitações humanas, uma vez que sempre são inventadas novas tecnologias que aumentam essa margem de crescimento. “Talvez o limite seja muito mais terreno do que a gente tem impressão, quer dizer, talvez seja replicar o desejo do sujeito, ou seja, toda essa dimensão mais mundana”, finaliza.

Siga o canal “Governo de São Paulo” no WhatsApp:
https://bit.ly/govspnozap

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ribeirão Preto, SP
Atualizado às 16h05
29°
Tempo limpo

Mín. 13° Máx. 31°

28° Sensação
3.09 km/h Vento
24% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (24/07)

Mín. 14° Máx. 32°

Parcialmente nublado
Amanhã (25/07)

Mín. 16° Máx. 33°

Parcialmente nublado
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias